Highslide for Wordpress Plugin
Homilias › 26/08/2016

21º DOMINGO COMUM – ANO C

 

 

ASSUNÇÃO DE NOSSA SENHORA – ANO C

HOMILIA

Nesta festa de Assunção de Maria, quando a Igreja celebra sua elevação aos céus a Igreja exalta Maria como Modelo de cristã, modelo de Igreja. As leituras falam da Igreja nascente que serve de LUZ para o mundo atual. Apocalipse 11,19; 12, 1-6. 10

1ª LEITURA – A 1ª leitura faz parte do livro do Apocalipse – achamo nós um livro complicado. Não o é.

Apocalipse (do grego) significa TIRAR O VÉU que no sentido literal é uma REVELAÇÃO. Em que sentido? – O profeta João Evangelista intervém na historia em nome do Deus porque as Comunidades Cristãs estão vivendo uma FASE DIFICIL por causa das PERSEGUIÇÕES. Ele quer sustentar os cristãos no presente, olhando o futuro lembrando-lhes a finalidade de sua caminhada, ou seja, o Dia em que Deus estabelecerá justiça, paz, plena salvação, ou seja, seu REINO, sobre o mundo. Este dia está oculto, um VÉU esconde o fim.

Por isso como o ATLETA tem que partir de um ponto determinado (a linha de partida) para projetar-se mais longe possível para frente. Ele começa por andar para trás, recua uns 50 metros a fim de atingir velocidade.

Assim somos nos quando devemos tomar uma decisão importante para o futuro / olhamos nossos passado para ver a linha a seguir, arriscando o futuro.

No apocalipse o autor ignora o futuro Deus é fiel por isso mostra como Deus age no presente em meio a perseguições.

O apocalipse usa uma linguagem simbólica para causar emoções fortes em nós. Por ex: MORREU DE RIR – JÁ LI ESSE LIVRO MILHOES DE VEZES / HÁ 100 anos que estou esperando, como a arte / cinema / poesia o fazem.

O trecho de hoje nesta 1ª leitura começa com a imagem do TEMPLO SE ABRIU que está no CÉU e A ARCA DA ALIANÇA:

- Templo e Arca = sinônimos de proximidade / comunicação e encontro com Deus.

- Vozes / Relâmpagos / Trovões = que causar emoção forte, ou seja, é agora que Deus vai falar / Se comunicar.

- MULHER = sinal grandioso é uma esposa – mãe

- Manto com Sol – proteção de Deus

- Lua aos pés – já possui a eternidade de Deus.

- COROA na cabeça – é vitoriosa

- 12 estrelas – representam as 12 tribos de Israel / 12 apóstolos que farão a Igreja nascer.

A comunidade deve interpretar quem é essa mulher?

MULHER

Eva = mãe da humanidade.

Jerusalém ou Sião = mãe das 12 tribos / cidade mãe do Povo de Deus

Maria = que dá a LUZ o Cristo

Igreja = sobretudo = a comunidade nascente de cristãos identifica-se com essa mulher / descobre a raiz do seu ser e sua missão no mundo.

Dragão = é o 2º sinal – representa a força contraria / origem hostil / demoníaca / aparentemente superior / quer devorar seus frutos e vida.

7 cabeças = Roma = entre 7 colinas / Império Romano / dificulta o testemunho cristão.

Mesmo aterrador o seu poder não é absoluto: pois tem 10 chifres = número dez denota imperfeição, sua CAUDA arrasta UM TERÇO das estrelas = um terço denota poder parcial, ou seja, a Comunidade tem o poder de Cristo que é invencível e o Dragão será vencido sem esforço.

No final Deus salvará com seu poder, realeza por meio da autoridade de Cristo e a Igreja libertará todos os obstáculos.

II Leitura: 1 Cor. 15,20-27

Esta carta escrita por Paulo à comunidade cristã de CORINTIO na Grécia. Um dos motivos que o levou a escrever foi a questão da ressurreição dos mortos.

Para os de cultura grega era difícil aceitar que os mortos pudessem voltar à vida. Negando a ressurreição dos mortos estariam negando também a ressurreição de Cristo. Para evitar essa heresia ele se preocupa em abordar essa questão – tenta levar à fé de maneira clara; apresentando provas bíblicas.

Fala de Cristo como Primícias dos que adormeceram.

PRIMÍCIAS: são os primeiros frutos a amadurecer. Depois de eles amadurecerem os demais frutos e vem à colheita – Termina falando da vitoria de Cristo, que aniquilará poder autoridade o Inimigo (o demônio) e por fim a MORTE.

Portanto acreditar que Cristo destruirá tudo o que é mal e inclusive por fim a morte é TAREFA CONJUNTA DE CRISTO E DOS CRISTÃOS.

EVANGELHO: LUCAS 1,39-56

A 1ª vista esse evangelho faz parte da visita de Maria a sua prima Isabel, após a anunciação. O texto não pretende mostrar como isso aconteceu para causar curiosidade, mas ILUMINAR as comunidades cristãs.

Na anunciação, o anjo informará Maria a respeito da gravidez de Isabel, como ação de Deus também e que para Deus nada é impossível.

Como SERVA – vai apressadamente a casa

Encontro de 2 mães = agraciadas por Deus / Isabel estéril / Maria não teve relações com nenhum homem.

Encontro das 2 crianças: – Precursor e Salvador.

Ambos sob o dinamismo do Espírito Santo. Assim começa a exaltação dos humildes, pobres e marginalizados, mas pessoas cheias de fé e esperança.

Pelos nomes dos personagens percebe-se :

MARIA: a amada

Isabel: Deus é plenitude

João: Deus é misericórdia

Jesus: Deus salva

Os elogios que elas trocam revelam os grandes feitos de Deus e o grande Amor de Deus que nele esperam.

O elogio de Isabel a Maria vai alem de sua maternidade física, é por ela (Maria) TER ACREDITADO QUE AS COISAS DITAS PELO SENHOR IRIAM CUMPRIR-SE.

Deus realiza assim a esperança dos pobres: livra Isabel da humilhação da esterilidade e do anonimato.

Esse hino de Maria é o grito, o desabafo de alguém que se vê socorrido. É uma explosão de alegria:

Deus agiu, dispersou, depôs, exaltou, cumulou, despediu, Deus coroou suas esperanças.

É como o abraço de vitoria – Tornam-se porta – voz dos sofredores, oprimidos, pobres, aflitos, viúvas, órfãos, marginalizados, decepcionados com o mundo e a matéria que encontram apoio em Deus; contra -os orgulhosos que não sentem qualquer necessidade de Deus.

MENSAGEM

A festa da ASSUNÇÃO DE MARIA aos céus é antes de mais nada a nossa festa de cristãos, onde aos fracassos e desilusões desta vida encontramos nela o modelo de alguém como nós que confiou, acreditou, viveu impulsionada por essa esperança que Deus passa para nós caminhantes desse mundo.

Mara é uma dos nossos.

Ela antecipa aquilo que é destino da humanidade e de cada um de nós.

A assunção de Maria é despertar de serena visão de esperança.

É o reconhecimento sincero do nosso NADA onde se derrama o Infinito triunfo da misericórdia de Deus – que nos enche da sua grandeza.

Ele olhou a humildade de sua serva – Ele fez grandes coisas por mim – Dispensou os orgulhosos de coração – Derrubou os poderosos dos seus tronos e exaltou os humildes.” Com isso Maria não quis ESNOBAR os fracos, os pecadores, os famintos, os fracassados da vida. Não!

Ela torna-se doce companheira de caminhada.

Ela levanta os decepcionados e os enche de fé.

Ela nos mostra que brilha porque recebe a luz de Deus.

É como as ESTRELAS, à noite brilham, mas a luz do SOL É MAIS FORTE, por isso durante os dias é como se apagassem para deixar o Sol brilhar. Na verdade sabem que a luz do Sol é mais forte.

Se em nós vive o plano de Deus, a vida de Jesus desaparecerá nossa pequena LUZ e apontará fortemente ao mundo a luz de Cristo.

Maria foi elevada, não pq se colocou à frente e nem atrás do povo, mas ao lado do seu povo.

Era LEIGA, era povo, mas conseguiu ser FERMENTO.

Sua tarefa de infiltrar o mundo secular e de atraí-lo para Deus Pai.

Dragões de hoje estão aí também e os leigos – as manias de hoje, os leigos na Igreja são agredidos diariamente pelas tentações do cotidiano e muito poucos esquemas existem para protegê-los. Não podem fechar o seu santuário domestico às agressões de um mundo SUBCULTO e INFRACIVILIZADO que entra pela TV, radio, revistas, Não conseguem proibir seus filhos nem a si mesmo de ver a realidade. E são tentados às vezes acima de suas forças.

E se não fosse a fé e a esperança, muito mais vezes teriam fracassado.

Por isso a Igreja precisa de FERMENTO no meio da massa, gente de fé, de esperança pra fortalecer e motivar tantos irmãos frágeis, sem forças da comunidade onde vivemos e somos chamados a servir.

Dá pena ver gente que se por trabalhar na Igreja e fala que não dá, que vai se afastar, que não vê a hora de parar, ou acabar seu mandato.

Maria hoje, nos faz Igreja é esse povo todo de fé e aqui que se compromete e se une.

Maria é

  • Esse povo de mãos dadas rezando com os irmãos.
  • Esse povo todo domingos se reunindo fazendo o que Deus pediu.
  • É o marido que errou e pede perdão
  • É a mulher que agride e jura paz e ternura
  • São os jovens irrequietos, confusos vendo mais claro, buscando forças.
  • É o velho que nem sabe o que é leigo, mas crê espera, olha o mundo mudando e não perde a fé.
  • É o casal simples que tem por descanso rezar e ir ao grupo de casais.
  • Pessoas trabalhando na catequese orientando grupos, dando palestras, falando de Deus, crendo que ainda Deus é a melhor resposta.
  • É o casal de namorados lá no altar, na Igreja.
  • É o pai e a mãe que vem a Igreja com o filho (a) a tira colo.
  • São aqueles velhos que criticam a juventude e não gostam de guitarras na Missa, mas não faltam.
  • São os aflitos desconsolados, desorientados, que pedem oração, força porque a deles acabou.
  • É aquele que aparece de barriga vazia, olhos inchados de chorar, sem voz nem vez que pede ajuda pelo amor de Deus.

São aqueles que muitas cruzes tanto abraçam, vão e vem e chegam à conclusão que neste mundo riqueza, não causam felicidade e sim Deus e sua força interior.

São esses que irão vencer, são esses que acreditam.

O nome de Maria não morrerá “De geração em geração me chamarão bem aventurada”.

Ela é símbolo dessa Igreja desse povo de fé, que caminha. Que crê e espera na força e no poder de Deus.

Um casal baiano muito cristão de vida e fé, veio tentar a vida em São Paulo e não encontraram seus parentes e ficaram perdidos sem saber o que fazer. Pediam ajuda de um lado e outro, até o dia em que o dinheiro que trouxeram acabou e tiveram que montar um barraco numa favela.

Naquela favela não faria nada de Deus. Ninguém frequentava Missa, ninguém MANJAVA e GOSTAVA de coisas de Igreja, de padre e de freira, ninguém ali gostava ou sabia manusear a Bíblia e que domingo é dia de Deus.

Naquela favela as crianças cresciam meio abandonadas, os jovens sem ter o que ser e fazer, brigas de vizinhos.

Jesus Cristo ali não podia entrar. Quando essa família de baianos, cristãos convictos se fez um com eles, mas de fé convicta e atitudes cristas, cheios de amor por Jesus, pelas crianças e pelos jovens a coisa foi mudando, Começavam contando a historia de Jesus, começaram incutir esperança, fé, orações, celebrar a vida juntos, oferecendo suas vidas, seus barracos, o cuidado pelas pequenas coisas, houve um interesse comum.

Durante um encontro de Casais na Paróquia, contaram suas experiências, fundaram uma comunidade, uma Capela, salão paroquial, centro comunitário com sopa, cursos profissionalizantes, creche, clube de mães, etc…

Naquela pobreza toda Jesus entrou trouxe a paz e bastaram 4 pessoas seguras de que Jesus queira alguma coisa deles.

Esta é a Igreja magnífica, vitoriosa que as leituras exaltam através de leigos maravilhosos, que emprestam suas vidas, suas casas para a fé, a paz, a esperança e a vida de toda uma comunidade.

Louvado seja…

Pe. Silvio Roberto dos Santos

Paróco


Imprimir