Highslide for Wordpress Plugin
Artigos e reflexões › 09/06/2016

A MORTE: para nós cristãos com fundamentação Bíblica

death-looming-131016

É comum ver cenas desesperadoras nos velórios, cujos parentes dos falecidos considerados homens de fé, mas despreparados, cheios de incertezas, sem nenhuma esperança cristã e o pior, uma fé sem fundamentação. É compreensível a dor da perda e da separação, entre tanto o despreparo leva à dor ao sofrimento.
Sofrimento é prolongar e persistir na dor.
Perguntas comuns surgem: O que acontecerá com o falecido? Para onde irá? O cemitério é o fim de tudo? Existe de fato vida após a morte?
É inegável que ao nascermos não escolhermos morrer e o pior é que não conhecemos tal experiência e a morte se torna o grande limite do homem: o maior obstáculo da sua vida. A técnica, a ciência e a medicina podem até prolongar a vida humana, mas não conseguem detê-la, impedi-la e nem contorna-la. O certo é que a morte faz parte da natureza humana, tal qual o nascimento e ela é a última luta que o homem deve enfrentar.
Tantas são as duvidas no homem que se permite acreditar em qual teoria acreditar, porque diante da morte a mente fica confusa, arranhada e dolorida. Pessoas que dizem: “não gosto de velórios”, na verdade não sabem lidar com a perda, a separação, com a dor e nem sabem conviver com a morte de quem ama,. Realmente a morte de um querido nos debilita e nossa hora reelaboramos a nossa experiência, buscando a figura perdida através de sonhos, lembranças querendo ver, tocar e falar para substituir a não aceitação da realidade. Acaba-se por compreender com o passar do tempo que é patético querer de volta alguém que na verdade não voltará. É o tempo da introspecção, da reflexão e da meditação. Revolta não resolve e onde buscar apoio e respostas a essa amarga experiência?
Afinal o que é a morte?
A morte é o desfecho natural da existência humana, terrestre, esperada por todos, mas nem sempre aceita e escolhida por muitos como descanso final do físico debilitado.
A natureza humana física se esgota e a morte é o adormecer final. Como uma roupa, toda carne vai envelhecendo e enfraquecendo, porque a morte é a lei eterna.
Assim como as folhas numa arvore frondosa também caem e brotam, assim é a vida humana; é o gerado da carne e sangue: uns morrem, outros nascem.
A palavra morte significa “DESCANSO/REPOUSO” e cemitério significa “DORMITÓRIO”. Assim como um motorista decide abandonar o automóvel irrecuperável, a morte implica a ruptura com o organismo, debilitado, irrecuperável, impossibilitado de exercer suas funções normais e cansado de insistir nisso pede repouso, a paralização de tais funções.
O certo é que após a morte nos encontramos nas fronteiras do icognoscível por não termos experimentado antes essa realidade.
Diante dessa realidade crucial acabamos reavaliando nossos valores. Fatigamo-nos, esforçamo-nos, agitamos muito, brigamos, angustiamo-nos para conseguir sempre mais riquezas, mais sucesso, mais prazeres. Se levássemos em consideração “a brevidade dos nossos dias”, as coisas pelas quais lutamos tão loucamente seriam redimensionadas e nos apareceriam, talvez, em toda a sua insignificância e mesquinhez.
Não nos mostramos sábios quando procuramos de todas as maneiras afastar da morte nosso pensamento e até evitamos pronunciar a palavra morte, preferindo falar de “partida, desaparecimento, falecimento, passagem, finar…” E no entanto a morte é a única certeza de quem nasceu, é a companheira de nossa vida, como diz o ditado: “Basta estar vivo para morrer”. Na vida terrena, portanto, tudo é transitório: TUDO PASSA !
Se a morte é uma constatação amarga, desoladora, melancólica: o que fazer então ?

AFINAL: quem é o autor da morte?
Institivamente surge-nos a pergunta: Se Deus é Pai e criou o homem, por que cria um filho para morrer? Deus é o autor da morte?
Para entender a morte é preciso que conheçamos a vida criada por Deus. O que é o ser humano? A Bíblia afirma: “Então, formou o Senhor Deus ao homem do pó da terra (do HUMUS: Terra boa, por isso somos chamados de HUMANOS > nosso físico é da terra) e soprou-lhes nas narinas o fôlego da vida (ESPÍRITO:SÔPRO:VIDA)e o homem passou a ser alma vivente (Genesis 2,7). No sentido bíblico, uma alma viva não é um ser desencarnado, mas uma pessoa viva.
Concluímos que o corpo físico e humano e da terra e o espírito é o sôpro de vida.
É importante que saibamos que Deus não é o autor da morte. No bíblico livro de SABEDORIA encontramos a seguinte afirmação: “Deus não é o autor da morte, a perdição dos vivos não lhe dá nenhuma alegria”. ELE criou tudo para a existência e as criaturas do mundo devem cooperar para a salvação. Neles nenhum princípio é funesto (amargo e triste), e a morte não é a rainha da terra, porque a justiça divina é imortal (Sabedoria 1,13-15).
E o livro da sabedoria continua atestando que Deus não é o inventor da morte ao dizer: “Ora, Deus criou o homem para imortalidade e o fez a imagem da sua própria natureza” (de sua própria eternidade). E por inveja do demônio que a morte entrou no mundo e os que pertencem ao demônio prova-la-ão. (Sab.2, 23-24)
Mas é confortante saber que Deus transforma o mal em bem, afirmando; “Mas as almas dos justos estão nas mãos de Deus e nenhum tormento os tocará”. Aparentemente estão mortos aos olhos dos insensatos (sem fé) seu desenlace é julgado como uma desgraça. E sua morte como uma destruição, quando na verdade estão na paz (Sab.3, 1-3). Já no versículo 9 do capitulo 3 do livro de Sabedoria conclui: “os que põem sua confiança nele, compreenderão a verdade, e os que são fiéis habitarão com ele no Amor”.
Aos poucos o que parece negativamente desencadeia-se como uma luz para o homem da fé.
A Bíblia ainda dá a resposta a respeito da morte quando diz: Pela morte “o corpo volte a terra como era, e o espírito (que nada mas é que o sopro da vida) volte a Deus, que o deu (Ecl 12, 7).
O salmista rei David diz ainda que no dia em que os homens morrem, “sai-lhes o espírito, e o físico volta ao pó, nesse mesmo dia, perecem todos os teus desígnios (Salmo 145,4).

“E AS MORTES DOS PREMATUROS: CRIANÇAS E ADOLESCENTES”?
Encontramos palavras consoladoras diante da morte de pessoas novas, no livro de Sabedoria: “Quanto ao justo, mesmo que morra antes da idade, gozará de repouso…”.
“Ele agradou a Deus e por Ele foi amado, assim Deus o transferiu do meio dos pecadores onde vivia. Foi arrebatado para que o mal não lhe corrompesse o sentimento, nem a astúcia lhe pervertesse a alma… Tendo chegado rapidamente ao termo (à morte) percorreu uma longa carreira, sua alma era agradável ao Senhor e é por isso que Ele a retirou depressa do meio da perversidade. A juventude atingindo tão depressa a perfeição confunde a longa velhice dos pecadores (Sab 4, 7-16).
“AFINAL O QUE É A MORTE ?
Pela sabedora bíblica a morte significa repouso. Assim como ,um corpo cansado depois de um dia exaustivo de trabalho pede para repousar, a morte é a exigência de um repouso do corpo que já não aguenta mais trabalhar ou viver aqui na terra. É o repouso merecido e natural da vida de uma pessoa. Tanto é verdade que a palavra CEMITÉRIO, de origem grega significa DORMITÓRIO, assim sendo as coisas vão se clareando e mudando de figura. Jesus inúmeras vezes ao se referir sobre a morte usava a palavra “dormir”.
Ninguém melhor do que Jesus Cristo libertava alguém ao terror da morte como algo desconhecido, a angústia da separação e ao horror. A morte é certa: quanto mais procuramos desviar dela nossos pensamentos, tanta mais se comprimem em torno dela. Quanto mais a tememos, mas terrível ela é, por que se alimenta de nossos temores. Quem procura esquecê-la enche dela sua memória; quem tenta fugir dela encontra só ela. Sabendo disso Jesus preenchia o vazio do ser humano ao vir para o velório de Lázaro seu grande amigo, chegou 4 dias após seu sepultamento e Marta, irmã de Lázaro veio-lhe ao encontro chorando e disse: “Senhor se tivesses estado aqui meu irmão não teria morrido”. E Jesus respondeu: Seu irmão vai ressuscitar ! Eu sou a ressurreição e a vida, aquele que crê em mim mesmo se tiver morrido, viverá. E todo aquele que vive e crê em mim, jamais morrerá. (João 11, 21-26)
Jesus falando da sua despedida na terra percebendo a insegurança dos seus discípulos, como um pai amoroso que espera a vinda do filho que está por nascer e prepara-lhe o berço, o quarto e o enxoval, acalma-nos dizendo: “Não se perturbem e nem entristeçais vosso coração. Vocês tem fé em Deus, tenham fé em mim também. Na casa de meu pai há muitas moradas, vou preparar um lugar para vocês, voltarei e os levarei comigo para que, onde eu estiver estejais também vocês (João 14-1,3).
Em João 8, 51, Jesus afirma com total segurança: “De verdade eu vos digo, se alguém guardar a minha palavra, não verá jamais a morte”.
Mais confortante foi ainda na cruz, tendo a seu lado dois ladrões. Um deles pede misericórdia e perdão na hora da morte dizendo: “Jesus, lembra-te de mim quando tiveres entrado no teu reino! Jesus, respondeu-lhe: “Esteja certo do que lhe digo, hoje mesmo, estarás comigo no Paraíso” (Lucas 23, 39-43). Isso nos faz crer que não existe pecado que não seja perdoado por Jesus. Ele quer a salvação de todos. Para Ele não existe pecado, pecadinho, ou pecadão: “O Senhor não quer que alguém se perca, ao contrário que se converta e viva” (II Pedro 3,9).
No trecho do ladrão arrependido percebe-se contrariar a doutrina da reencarnação, pois se Jesus a aceitasse teria dito: “Você morrerá, voltará uma segunda vez e pagará seus erros”. No entanto, pelo seu poder disse: “Com toda certeza hoje mesmo você estarás comigo no Paraíso”.
É por isso que São Paulo pôde afirmar: “Como está determinado que os homens morram uma só vez e logo em seguida vem o juízo” (Hebreus 9,,27). Enquanto que Paulo reafirma: “Irmãos, não queremos que ignoreis coisa alguma a respeito dos mortos, para que não entristeçais como os outros homens que não tem esperança… Se cremos que Jesus morreu e ressuscitou, cremos também que Deus levará com Jesus os que nele morreram…” (I Tess4, 13-18).
A palavra de Deus afirma que seremos salvos pela fé em Jesus e em suas promessas, que por Ele temos acesso à graça e a esperança de possuir um dia a glória de Deus (Romano5, 1-5). A fé é condição para a salvação (Romanos10, 9-13). A doutrina bíblica é clara e objetiva quando fala em salvação: “em Jesus e pela sua ressurreição, ressuscitaremos” (ICorintios15,1-34). Não fala momento algum da reencarnação. A justiça divina na verdade é diferente da justiça dos homens, inclusive quando Jesus afirma que até o corpo um dia ressuscitará da terra; “Eu voltarei uma segunda vez e os mortos sairão das sepulturas ao som da minha vóz. Os que praticaram o bem ressuscitarão para a vida e os que praticaram o mal ressuscitarão, mas para serem condenados”.
A grande e final esperança nossa de cristão aparece em Apocalipse 21,1-4 quando nos apresenta o fim dos tempos, novo céu e nova terra. “Eis aqui o tabernáculo de Deus com os homens”.
Habitará com ele. Enxugará toda lágrima de seus olhos, e já não haverá morte, nem luto, nem grito, nem dor, porque passou a primeira condição.
Esplêndida esta afirmação ! Será realmente uma vitória e uma grande festa final, sabendo que tudo o que aconteceu foi afim de que Deus pudesse ser Tudo em Todos (ICorintios 15-28).
É exatamente por isso que Jesus adverte-nos: “Vigiai, pois, porque não sabeis a hora em virá o Senhor. Sabeis que se o pai de família soubesse em que hora da noite viria o ladrão, ficaria acordado, vigiaria e não deixaria arrombar sua casa. Por isso estais também vós preparados porque o filho do Homem virá numa hora em que menos pensardes”. (Mateus 24,42-44)
No capítulo 38 do livro de Eclesiástico traz a belíssima orientação:
“Alguém entre vós morreu: chore!
(chorar alivia a tensão e dores).
Sepulta o seu corpo segundo o costume do seu povo e não descuides da sua sepultura (Eclesiástico 38,16)
Pare de sofrer porque o sofrimento apressa a morte (ecl 38,19)
No II livro de Macabeus orienta-nos a oração pelos que morreram: “orar pelos que morreram agrada aos ouvidos de Deus”.

Queridos paroquianos e irmãos leitores do nosso jornal paroquial, não são maravilhosas essas promessas de Jesus?
Se a morte arrancou de você um ser querido ou se você teme sua própria morte, guarde esta esperança em seu coração e prepare-se para a volta de Jesus. Naquele dia belíssimo de glória, festa e alegria você verá a vitória de Deus, você não terá mais lágrimas, dores, angustias, incertezas, nem mêdo. Você tornará abraçar seu filho, ou seu pai, marido ou mulher, ou o amigo querido que foi separado pela morte.
Você encontra na Bíblia tudo. Aqui você pode se deparar, vislumbrar-se e defrontar-se com a verdade Bíblica. Ter a certeza da ressurreição e decidir preparar-se para a volta de Jesus.
Venha contar-nos se você abrigou essa esperança no seu coração?
Jó dizia: “Deus deu, Deus tirou: Bendito seja o nome do Senhor”.
“Deus sabe o que faz e o homem não as o que fala no momento da dor”
“Nascemos para morrer e morremos para viver a vida eterna, prometida por Jesus”

Pe.Silvio Roberto
Pároco Paróquia Menino Jesus de Praga
Ninguém morre enquanto vive no coração de quem ama.
Deus sabe o que faz e o homem na dor não sabe o que fala.

Imprimir