Highslide for Wordpress Plugin
Homilias › 01/09/2016

22º DOMINGO COMUM – ANO C

1ª leitura: Eclo. 3, 19-21 . 30-31

2ª leitura: HB 12, 18-19 . 22-24 a

Evangelho: LC 14, 1.7-14

Homília

 

Irmãos queridos!

Foi incutida em nós, por muito tempo, a ideia de um Jesus (até bom) sério, carrancudo, reservado, austero, etc. Alguns cristãos classificados de “espiritualistas” sentem até desconforto e mal estar, quando no Evangelho, deparamos com um Jesus sentado à mesa, não faltando às festas, ficando perto dos homens, conversando, ouvindo e até aconselhando.

Ele não é um Deus distante, inacessível, ausente, mas é o Deus – Emanuel: Deus conosco, vai ao encontro dos homens e se faz um com eles; quer vê-los alegres, tranquilos e felizes, enfim. Não é o Deus dos pagãos: inacessível das outras religiões, sádico que se deliciava ao ver os sacrifícios, flagelos, os jejuns loucos, as mortificações que os homens impunham sobre eles mesmos.

O Evangelho de hoje, num sábado após a liturgia da Palavra do Antigo Testamento, na Sinagoga, Jesus é convidado para uma refeição na casa de um fariseu. Lá está Ele, à mesa. Acontece que nos costumes do povo de Israel é dada muita importância à HIERARQUIA: os lugares são distribuídos com muito cuidado: no centro o dono da casa, ao lado os NOTÁVEIS, depois todos os demais por ordem de títulos e idades.

Essa é a ETIQUETA judaica, mas há sempre alguém que goste de se aparecer mais, procurando não dar na vista, vai se infiltrando no lugar do outro, procurando melhores lugares. “Isso acontece hoje nas festas também”? Furões? Oportunistas?

Jesus só de olho, assiste esta divertida ginástica e a certa altura, através de uma parábola dá seu recado, seu conselhozinho: “Escuta quando fores convidado a uma festa (BODAS), não se sente no 1º lugar, mas toma o ultimo lugar, para que quando vier quem te convidou você não pague MICO e ele te diga: Pode mudar de lugar; ceder a outra pessoa ou amigo, venha para frente. Então serás honrado na presença de todos os convidados”.

Estranho esse convite à ESPERTEZA e Jesus ensinando um TRUQUE desses tão mesquinhos para aparecer em público, dar satisfação à própria vaidade. Falsa humildade, sendo que Jesus sempre condena quem procura os primeiros lugares. Na verdade, Jesus não quer transformar seus discípulos em ESPERTINHOS, buscar sucesso ou estejam interessados em promoções. Na verdade, Jesus proibia todos os títulos HONORÍFICOS, não tolerava o uso de DISTINTIVOS que consagrava e sacralizava grupos ou pessoas e criticava piamente aqueles que faziam tudo para aparecer mais, tais como uso de paramentos ou de roupas compridas, orações e saudações em praças públicas assim como os primeiros lugares nos banquetes. Dizia que Deus não se importa com as aparências, pois elas enganam.

Esse provérbio (Provérbio 25, 6-7) já estava na Bíblia “não te coloques no lugar dos grandes, pois é melhor ouvir” “sobe mais” “ao invés de ser humilhado diante de um superior”. Jesus então, aconselhava isso não para ensinar aos seguidores a TÁTICA DA AUTOAFIRMAÇÃO e sim o caminho para serem reconhecidos diante de Deus. Ser MODESSTO e HUMILDE, não vangloriar-se considerando-se melhor que os outros. Isso não significa procurar ser desprezado pelos outros, mas ter a consciência que tudo que somos e temos nós RECEBEMOS DE DEUS; É UM PRESENTE DELE. É Dele que procede a vida, a beleza, a força, a inteligência, o amor e o bom temperamento e o caráter moldado por Ele em nós. Nada nos pertence e de nada nós podemos “nos vangloriar”. É, portanto, RIDICULO fazer OSTENTAÇÃO dos dons de Deus como se nos pertencessem.

É INSENSATEZ nos considerarmos melhores que os outros, comparar-nos, disputar e impor-nos, sobre os demais. Tudo que somos e temos é para a HONRA E GLÓRIA DE DEUS!

Num segundo momento Jesus se dirige ao Fariseu, dono da casa que o convidou: “Quando deres uma refeição não convides os amigos ou só irmãos, parentes ou vizinhos ricos.”

Antes convide os pobres, aleijados, coxos, cegos, insignificantes… São os que podem lhe retribuir.

Isso é um presente. Sua alegria será verdadeira, duradoura, da alma. A alegria de partilhar com os menos favorecidos aquilo que Deus lhe emprestou nessa vida.

É assim a partilha. Assim se inaugura com Jesus o novo tipo de BANQUETE, a nova religião, a alegria de acolher os excluídos, os rejeitados, os insignificantes. Também eles são filhos de Deus, têm direito ao alimento de Deus, ao AMOR E A ACOLHIDA através daqueles que amam com o amor de Deus e são fieis a Ele. Se Deus lhe concedeu mais nessa vida é porque acredita que você será capaz de partilhar e partilhando poderá experimentar uma alegria maior já nessa vida.

Através desse conselho de Jesus orienta seus seguidores TER A CORAGEM de ORGANIZAR o novo banquete, o do REINO DE DEUS, seguindo os CRITERIOS de Deus, oposto à sociedade interesseira que vive das aparências. Basta olhar a lista de convidados e o cerimonial de inaugurações de empresas, casamentos, aniversários, etc. Alguém chama o pedreiro, servente, a babá, o feio, o sem nome? Aqui é bom olharmos para a nossa realidade, nossas Igrejas e nossas promoções. De fato a alegria e a felicidade está em amar como Deus ama? (Sem interesse?) Sem esperar recompensa ou retorno?

Temos consciência que a verdadeira recompensa é tornamo-nos semelhantes ao Pai Celeste? Nossa alegria é considerarmo-nos filhos do Altíssimo com nossas atitudes? CUIDADO! Não se ganha o céu usando o pobre ou aquele que não tem como lhe retribuir. Isso é EGOISMO, é também buscar VANTAGENS. Isso é humilhação ao outro.

Não se ganha o céu também promovendo jantares para os pobres. Mas qual apoio prestamos a eles? O que fazemos para promovê-los a uma vida digna e justa?

Que atenção dedicamos a eles? Esse é o maior banquete! Quando todos nós nos sentimos irmãos.

Esse é o banquete da verdadeira fraternidade: Por isso, serás feliz, basta essa felicidade. Encerre Jesus.

Louvado seja…

Pe Silvio Roberto dos Santos

Pároco

Imprimir