Highslide for Wordpress Plugin
Homilias › 07/03/2017

1º Domingo da Quaresma – Ano A

1º Domingo da Quaresma

ANO A 04 E 05 DE MARÇO DE 2017

1ªLeitura: Deuteronômio 26,4-10

2ªLeitura: Romanos 10,8-13

Evangelho: Lucas 4, 1-13

            Nos primeiros tempos da Igreja, a Quaresma era um tempo forte e preparação ao Batismo. Não havia ainda batizados de crianças, só os adultos eram batizados. Na Quaresma, a pessoa que se tornaria cristã tinha a oportunidade de refletir mais e mais na nova vida que estava assumindo, assim como nas tentações e nas dificuldades que haveria de enfrentar para ser fiel ao EVANGELHO no meio de um mundo pagão.

            Sendo assim, todos os anos, no 1º Domingo da Quaresma, a liturgia nos leva a refletir sobre as tentações de Jesus. Mostra-nos o modo com nós também as poderemos reconhecer e superar.

            À primeira vista as tentações de Jesus nada  têm a ver com as nossas, são surpreendentes, quase extravagantes.

            Quem dentre nós aceitaria atender às ordens do demônio, de prostrar-se diante do diabo (feio como é)?

            Quem lhe daria importância se, se propusesse transformar uma pedra em pão ou se nos convidasse a nos jogarmos do alto de um prédio? Parece que nossas tentações são mais sérias e mais difíceis de serem enfrentadas e não são num só dia, mas todos os dias de nossa vida.

            Na verdade falta-nos compreensão da mensagem que o autor quis transmitir nesta sua narração. O autor não quer que leiamos ao pé da letra, mas é uma Catequese: não são três tentações, mas todas as espécies de tentações que sofremos, a única diferença é que Jesus foi tentado em tudo como nós, mas ele nunca foi vencido pelo pecado.

            Qual o sentido das três tentações?

            1ª) “Ordena a esta pedra que se torne pão!´´ Jesus no início da sua missão passa pelo batismo junto aos pecadores, não os condenou, misturou-se a eles, percorreu o caminho junto com eles para dar-lhes libertação, o que foi uma tarefa fácil. Durante toda a sua vida foi tentado a usar seu poder divino para se livrar das dificuldades que os homens comuns enfrentam. Os homens sentem fome, adoecem, sentem fadiga, devem estudar para aprender, trabalhar para seu sustento, podem ser ludibriados, oprimidos, injustiçados, explorados, infortunados, excluídos, etc.

            Pois bem, Jesus pode livrá-los desses problemas e o demônio o incita a que faça e opere milagres para proveio das pessoas. Jesus não lhe dá ouvidos, pois esse projeto cômodo é DIABÓLICO, uma vez que ele trabalhou, derramou o seu suor, passou fome e noites de insônia, chorou e não quis privilégios. Na cruz foi desafiado a descer, mas não quis milagre a seu favor. Cumpriu somente a vontade de Deus e fomos SALVOS.

            Jesus pensou em nós. Não podemos usar os dons e qualidades que Deus nos deu para satisfazer os próprios caprichos sem pensar-nos outros: “Não só de pão vive o homem´´.

            Que adianta possuir todos os bens deste mundo, ser rico e ficar sossegado sozinho? É diabólico todo uso egoísta dos bens deste mundo, acumulando só para si, explorando o trabalho dos outros, desperdiçando os bens no luxo, coisas supérfluas enquanto aos outros faltam às coisas necessárias. Os bens terrenos não podem se tornar ídolos, nosso Deus humano.

            2ª) Tentação: “Dar-te-ei todo esse poder e a glória desses reinos porque me foram dados…´´

            Essa é a forma exagerada e errada de relacionarmo-nos com as pessoas e com as coisas. A lei do comércio TOMA LÁ DÁ CÁ! Suportar… São as atitudes dominadoras, o instinto de dominar sobre os outros.

            Não é fraqueza só dos ricos; até mesmo o pobre sente um desejo irrefreável de prevalecer sobre quem ainda mais fraco d que ele.

            Quantos de nós humilhamos o outro? Marido com a esposa, o jovem que abusa da namorada, nas repartições públicas, atitudes humilhantes, palavras ofensivas aos empregados, etc.?

            Quantos de nós usamos a autoridade para a SUPERIORIDADE ao invés de SERVIÇO GRATIFICANTE para a promoção do próximo? Onde alguém seja obrigado a ajoelhar-se ou inclinar-se diante de seu semelhante, ali entra em ação a lógica do diabo.

            Quantos de nós, até padres, só sabem mandar e não aceitam a opinião dos outros?

            Para Jesus, grande é aquele que se coloca a serviço dos outros, aquele que se ajoelha diante do irmão mais pobre para levar-lhe os pés.

            3ª) Tentação: “Lança-te do alto do Templo…´´

            O diabo apresenta-se piedoso e até usa a palavra de Deus para convencer do pecado. Mas quer tirar proveito com a palavra deturpada e interpretada de forma astuta.

            Aqui é preciso tomar cuidado quando o diabo e os diabólicos apresentam-se com o semblante atraente, assumindo uma aparência piedosa, usando a palavra de Deus para desviar o outro do caminho de Deus.

            O diabo e os diabólicos para alcançar seu objetivo insinuam a mente e o coração do homem à duvida, ao desvio moral, alguma fraqueza ou alguma falha com  cara de verdade. Quer abalar a fé, insinuar que Deus não é fiel e em seguida abandonar quem depositou nele a sua confiança. Há cristãos que só se sentem amados por Deus quando tudo corre bem. Quando alguma doença ou infortúnio o abate, duvida e diz que Deus esqueceu se dele.

            Nessa hora nossa fé corre o risco de desabar. Quantos mudam de religião e procuram seitas que prometem milagres?

            Deus não prometeu aos seus fieis isentá-los das angústias, das tribulações, das doenças e do sofrimento, mas prometeu força para que não acabem derrotados pelas provações da vida e a salvação trazida por Jesus.

            Como Jesus é preciso fidelidade ao Pai e Quaresma é lutar e vencer essas tentações como Jesus fez.

Padre Silvio Roberto

 Pároco

Imprimir