Highslide for Wordpress Plugin
Homilias › 11/08/2015

19º Domingo do Tempo Comum, Ano B

1ª Leitura: 1 Reis 19, 4-8
Salmo: 33 (34)
2ª Leitura: Efésios 4, 30-5,2
Evangelho: João 6, 41-51

Homilia:

O Pão da VidaAs leituras bíblicas de hoje nos falam do alimento que Deus nos dá para nos sustentar em nossas aflições, cansaços, tribulações e angustias. As 3 leituras estão relacionadas entre si.

Na 1ª leitura nos faz pensar: assim como o profeta Elias: quem de nós não se sente tão cansado, desanimado e tão amargurado, a ponto de pensar ou gritar: Basta! Eu não aguento mais! Ou diante desses momentos dramáticos de desespero que pediu a morte?

Elias vive perseguições da rainha JEZABEL, bonita, inteligente, manipulador e perversa. Controla seu marido e começa introduzir em Israel, usos, costumes e praticas pagas e morais trazidas da sua terra.

Exige dos seus súditos que abandonem a fé no Deus Jave único e verdadeiro e adorem o BAAL, o Deus da furação, das chuvas e da fecundidade.

Elias, destemido e ousado opõe-se com palavras duras, denuncias e ameaças, invocando castigos do céu. Durante 3 anos não caiu chuvas do céu JESABEL e o rei ACAB usam todos os modos de perseguição para elimina-lo e Elias resilve fugir para o monte HOREB onde Moisés tinha encontrado o Senhor. Mas a travessia no deserto é perigosa e difícil e Elias sente-se desfalecer, fraquezas e desalento tão profundos; senta-se de baixo de uma árvore e pede a Deus que lhe envie a morte. Deus não abandona Elias. Não toma seu lugar, nem o carrega nas costas e nem lhe isenta da caminhada, mas lhe dá alimento: o PÃO que lhe dá vigor.

Só assim Elias consegue enfrentar o perigo, e seus objetivos. SER BOM e FIEL não é fácil.

Caros irmãos, também nós vivemos semelhante situação: Deixamos-nos abater quando em nossa vida persistem perseguições, desilusões, conflitos, desentendimentos, fofocas, invejas, incompreensões, mesquinharias… O desanimo é tão grande que pensamos em largar tudo, mas assim como Elias, Deus não nos tira da provação, não dispensa a dura caminhada, nem os anjos nos carregam milagrosamente. É inevitável que tenhamos que atravessar o deserto (nossa vida) enfrentando os perigos e dificuldades. Deus porém, não se esquece de nós, quando não sabemos que atitudes tomar, desanimados, inquietos e desesperados. Ele está ao nosso lado. Envia anjos para alimentar-nos, o pão da palavras, o pão do irmão da comunidade, um padre, diácono, um coordenador, um amigo. Daí, desabafamos com esse amigo, vamos derramar lagrimas no ombro de alguém, e ali encontramos o pão do ALÍVIO, da AJUDA e da ESPERANÇA, que nos põe de pé novamente, enche-nos de alivio e luz, ergue nossa cabeça e nos faz caminhar sem parar.

É como o Salmo 33 de hoje diz: “Todas as vezes que o busquei, que gritei, Ele me livrou de todos os temores e angustia: Feliz o homem que tem n’Ele o seu refúgio!”

Antigamente os escravos recebiam na pele uma marca (BRASÃO, um LOGO), do seu patrão/dono, com ferro em brasa, como se faz com o gado. Era o sinal de pertença do seu dono e patrão. Na 2ª leitura, Paulo usa essa figura para o cristão, que no Batismo, este recebe na própria carne um SELO, uma marca, não gravado a fogo, mas impresso pelo ESPIRITO SANTO.

Fala dos vícios que devem ser evitados e virtudes que devem ser praticadas pelo cristão. São 5 vícios:

1) AMARGURA, que torna insuportável a pessoa,

2) a IRRITAÇÃO ou IRA que procede de um coração rancoroso e desejos de vingança,

3) CÓLERA: é a forma descontrolada de agredir com palavras, um veneno que destrói,

4) GRITARIA: reclamação que revela o descontrole de quem quer ganhar a conversa com violência. É próprio de quem não sabe dialogar e nem ter interesse em ouvir o outro e nem respeita-lo gera discussões e desavenças…

5) INJÚRIA ou MALIGNIDADE: é o conjunto de todos os vícios. É o contrário do amor de Deus num coração. A parte positiva, ao contrário, que são virtudes que o cristão deve desenvolver:

1) SER BOM, ser cordial e afável com os outros,

2) COMPASSIVO – lento em condenar. Ter a mesma MISERICÓRDIA que Deus tem por nós.

3) Se somos fracos, o amor PERDOA. Só o amor é capaz de perdoar e tolerar, só assim seremos imitadores de Cristo e assim como Ele nos amou e se entregou em sacrifício por nós… Ele é MODELO: inspiração.

Continuando os evangelhos dos 2 domingos anteriores, hoje Jesus continua afirmando que é o PÃO DO CÉU que Deus nos enviou para matar nossa fome de VIDA…

O trecho, de hoje começa com a reação dos judeus, por essa declaração de Jesus: “Que pretensão a dele dizer que eu sou o pão do céu!” Murmuraram: Ele não é o filho do Zezinho Carpinteiro? Fez móveis para nós? É um vagabundo: abandonou Seu Zé carpinteiro velhinho e volta aqui para nos dar lição de moral e religiosa!

Murmurar não é apenas criticar, mas significa CONTESTAR/ OPOR-SE/ RECUSA DECIDIDA. Para eles essa afirmação de Jesus é escandalosa e desafiadora. Mas Jesus, não desiste: “Não murmureis entre vós. Meu Pai atrai os que vêm a mim, pois eu o filho conheço e vi o Pai e quem crer em mim terá a vida eterna… Eu sou o pão do céu e quem comer Dele nunca morrerá, mas viverá eternamente”. Em outra palavras: só se conhece e chega ao Pai através Dele: ouvindo, observando suas atitudes, andando com Ele, tocando-o pela fé, assumindo sua postura, tendo-o como Mestre, modelo e se fazendo UM COM ELE.

Infelizmente alguns só o conhecem de nome, até são fieis aos ritos… mas não o acolhem com o coração humilde, com alegria, com gratidão, com sinceridade de coração, com a entrega verdadeira… Não se deixa alimentar por Ele.
Ele diz comer a minha CARNE? O que significa carne? Músculos? Não! Carne significa o ser humano – portanto, um Deus que se fez ser humano, frágil, rebaixado, humilhado, para redimir e ser salvo pó Ele.

Ser uma coisa só, tomar parte Dele, ser como Ele, assimilar o jeito de ser de Deus. Assimilar a vida plena que vem de Deus, através da sua humilhação em se tornar homem frágil, para revelar-nos seu presente de Amor, Seu dom, Sua salvação.

Quando alimentamos-nos do pão e da carne, eles se tornam alimentos vivos do nosso corpo. Comer o pão ou a carne de Jesus é permitir que Ele se torne um em nós, conosco e por nós… Entenderam?
Louvado seja…

Padre Silvio Roberto dos Santos,
Pároco

Imprimir