Highslide for Wordpress Plugin
Notícias da Paróquia › 09/05/2017

100 anos de Fátima

Este maio de 2017 se reveste de uma alegria maior do que todos os outros maios já celebrados, a alegria é porque celebramos o “Centenário das aparições da Virgem Maria”. As aparições imagesde Nossa Senhora, em Fátima, começaram no dia 13 de maio de 1917, e tiveram como protagonistas três crianças que pastoreavam um pequeno rebanho, na Cova da Iria, freguesia de Fátima, concelho de Vila Nova de Ourém.

Lúcia de Jesus, de 10 anos, e seus primos Francisco e Jacinta Marto, de 9 e 7 anos, respectivamente, saíram de casa após rezar o terço para brincar nas imediações, onde construíam uma pequena casa de pedras.

A Senhora disse aos pastorinhos que era preciso rezar muito, convidando-os a voltar ao local durante cinco meses consecutivos, sempre no dia 13, no mesmo horário, sendo que na última das aparições o sol dançou (como muitos escritos da época noticiaram), nesta última aparição tinha aproximadamente 70.000 pessoas e então a Virgem Maria afirmou ser a Senhora do Rosário e fez um pedido: que ali naquele local se fizesse erguer uma capela em sua homenagem.

Segundo o site de notícias oficiais do Santuário Nacional de Aparecida (http://www.a12.com), a Virgem de Fátima voltou a aparecer para Lúcia, que já era uma religiosa de Santa Doroteia, em 10 de dezembro de 1925, 15 de fevereiro de 1926 e na noite de 13 para 14 de junho de 1929. Nessas aparições, ela pediu a devoção dos cinco primeiros sábados, para que rezassem o terço, meditassem os mistérios do Rosário, confessassem-se e recebessem a Sagrada Comunhão, em reparação aos pecados cometidos contra o Imaculado Coração de Maria. Ela também pediu a consagração da Rússia ao mesmo Imaculado Coração – repetindo o que já havia pedido em julho de 1917.

Os dois primeiros pastorinhos, Jacinta e Francisco, faleceram ainda crianças como já havia dito Nossa Senhora. Jacinta faleceu em Lisboa, a 20 de fevereiro de 1920, e Francisco, em Ourém, a 4 de abril de 1919. Ambos foram beatificados por São João Paulo II, no dia 13 de maio do ano 2000, no Santuário de Fátima, em Portugal.  Agora no ano do centenário das aparições serão canonizados pelo Santo Padre Francisco, no dia 13 de maio de 2017, por ocasião de sua primeira visita apostólica  àquele Santuário.

A Irmã Lúcia faleceu em Coimbra, Portugal, no dia 13 de fevereiro de 2005, aos 97 anos. Depois das aparições de 1917, das quais foi a principal mensageira, a Irmã Maria Lúcia de Jesus e do Coração Imaculado entrou para a vida de consagração religiosa em 1925 e professou como Doroteia na cidade de Tuy, na Espanha, no ano de 1928. Fez votos perpétuos no dia 13 de outubro de 1934.

Tornou-se Carmelita em Coimbra, no Carmelo de Santa Teresa, no dia 25 de março de 1948, onde permaneceu até a sua morte. A vidente foi sepultada no Carmelo de Santa Teresa, em Coimbra, como era seu desejo, durante um ano, antes de ir para a basílica do Santuário de Fátima. A religiosa é uma candidata aos altares, e seu processo de beatificação está aberto desde 2008.

Celebrar as aparições de Fátima é celebrar um acontecimento marcante para toda a Igreja Católica, mas tudo isso não apenas pela importância que assumiram para as pessoas e pela sua divulgação no mundo, mas porque têm uma íntima e profunda ligação com a mensagem do Evangelho. Existe também a  profundidade com que essas aparições marcaram e marcam, a cada dia, a vivência da fé de muitos dos católicos e pelo alcance profético dos seus apelos. A Igreja confirmou que elas apresentam uma proposta credível e válida de concretização da vida cristã.

Ao celebrar o centenário das aparições, podemos ver que a mensagem de Fátima é eloquente para os crentes de todos os tempos; as aparições e mensagens não ficaram presas a uma época passada ou somente à Cova da Iria ou a Portugal ou a Europa, mas projeta um dinamismo para o nosso presente e abre horizontes de fé para o futuro da história humana.

Os acontecimentos de Fátima são um apelo a toda humanidade do nosso tempo, dos nossos dias, portanto celebrar o primeiro centenário da visita da Virgem Maria à Cova da Iria procura ser mais um instrumento deste apelo atual. Não se trata, portanto de assinalar simplesmente uma efeméride histórica, cujas repercussões se reduzem a um momento do passado, Fátima e sua mensagem são sempre atuais,  um veículo de evangelização,  um caminho para a conversão e para um encontro profundo com nosso Senhor Jesus Cristo, pois Maria sempre nos apresenta Jesus e nos pede que “Façamos tudo aquilo que Ele disser”. Com a celebração do centenário das aparições somos convidados, como cristãos, a renovar e fortalecer  nossa fé, nossa esperança e nossa caridade. Esse grande momento  quer ser  um auxílio para o crescimento espiritual para toda a Igreja e para todo o  povo de Deus, que com carinho e amor acorrem à Nossa Senhora de Fátima como Mãe e Mestra.

Fátima sempre esteve na predileção dos Papas, foi o Papa Pio XII que, no dia 13 de maio de 1946, pediu  que a imagem da Virgem, que se encontra na capelinha das aparições, esculpida segundo as orientações da Irmã Lucia, fosse solenemente coroada; o gesto foi realizado por meio de seu legado pontifício, Cardeal Bento Aloisi Masella. O papa Paulo VI foi o primeiro papa a pisar o solo santo de Fátima na comemoração  do cinquentenário das aparições, em 13 de maio de 1967; também foi dele a iniciativa de oferecer a Rosa de Ouro à Virgem Maria em seu Santuário.

A 13 de maio de 1982 foi a vez de São João Paulo II se fazer peregrino em Fátima para agradecer a Mãe de Deus por ter salvo a sua vida no atentado do dia 13 de maio de 1981, na Praça de São Pedro, em Roma. Disse o Papa: “Uma mão atirou e a outra desviou a bala”. São João Paulo II voltou mais duas vezes a Fátima, em 1991 e no ano 2000, quando beatificou os pastorinhos. Na coroa de Nossa Senhora de Fátima tem encravada a bala que feriu  São João Paulo II, foi ali encravada em sinal de agradecimento à proteção Dela recebida.

O Papa Bento XVI foi peregrino em Fátima no ano de 2010, oferecendo assim como Paulo VI, a Rosa de Ouro à Virgem Mãe.  Fátima recebera neste ano centenário, no dia 13 de maio, a visita apostólica do Papa Francisco que, seguindo os passos de seus antecessores, se fará peregrino naquele que é  chamado Altar do Mundo.

Por todos os rincões de nosso País, e também porque não dizer do mundo, estão sendo preparadas celebrações e grandes momentos de oração, de fé e de devoção para celebrar esse primeiro centenário das aparições da Mãe do Senhor na Cova da Iria. Em nossa diocese temos duas comunidades paroquiais dedicadas à Nossa Senhora de Fátima, uma localizada no Bairro Jardim Nazareth, em São José do Rio Preto, e outra na cidade de Monte Aprazível, no bairro Vila Araújo; além de capelas, que por devoção do bom povo português, cultuam com amor a Virgem Mãe, a Senhora de Fátima.

Que neste ano centenário possamos renovar nosso “sim”, inspirados no ”sim” de Nossa Senhora e que aprendamos na Sua escola a sermos verdadeiros cristãos anunciadores da Boa Nova do Evangelho de Seu Filho Jesus.

“Salve, Mãe do Senhor,
Virgem Maria, Rainha do Rosário de Fátima!
Bendita entre todas as mulheres,
és a imagem da Igreja vestida da luz pascal,
és a honra do nosso povo,
és o triunfo sobre a marca do mal”.

(Oração Jubilar de Consagração)

Padre Carlos Eduardo Nascimento
Paróquia Nossa Senhora de Fátima – Monte Aprazível

Imprimir